O Ruído Ocupacional é um dos riscos ambientais mais comuns nos ambientes do trabalho, por ser um risco advindo do maquinário utilizado nas principais empresas do ramo de transformação. Aqui você vai poder saber um pouco mais sobre o agente de risco, mas de início, o que seria os agentes de risco?

São classificados como agentes físicos as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como: ruído, vibrações pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não ionizantes, assim como infrassom e ultrassom.

Ruído

As máquinas e equipamentos utilizados pelo processo produtivo de uma empresa, são capazes de produzir ruídos que podem atingir níveis excessivos, podendo a curto, médio e longo prazo, provocar sérios prejuízos à saúde dos colaboradores. E, dependendo do tempo de exposição, nível sonoro e da sensibilidade de cada indivíduo, as os danos à saúde poderão manifestar-se imediatamente ou gradualmente ao longo dos anos.

Quanto maior o nível de ruído ao qual o colaborador está exposto, menor deverá ser o tempo de exposição ocupacional.

Limites de Tolerância

Limites de Tolerância para Ruído Contínuo e Intermitente

Danos à saúde

Além da possibilidade de perda temporária ou definitiva da audição, há outros danos à saúde que o risco físico ruído pode ocasionar, eis os principais:
– fadiga nervosa;
– alterações mentais: perda de memória, irritabilidade, dificuldade em coordenar idéias;
– hipertensão;
– modificação do ritmo cardíaco;
– modificação do calibre dos vasos sanguíneos;
– modificação do ritmo respiratório;
– perturbações gastrointestinais;
– diminuição da visão noturna;
– dificuldade na percepção de cores.

Métodos de prevenção:

Com o intuito de neutralizar ou diminuir os danos provocados pelo ruído no ambiente de trabalho, o SESMT pode adotar as seguintes medidas:
– Enclausuramento da máquina produtora de ruído; isolamento de ruído.
– Fornecimento de equipamento de proteção individual (EPI) (no caso, protetor auricular sendo ele plug ou concha). É recomendado que o EPI deve ser fornecido quando não há possibilidade de eliminar o ruído ou como medida complementar.
– Realização de exames audiométricos periódicos
– Afastamento do local de trabalho (no caso dos colaboradores em que não se necessita do mesmo de forma contínua nas proximidades da fonte de ruído)
– Revezamento entre local de trabalho e local de descanço.
– Obrigatoriedade do uso do EPI no local de trabalho e controlar seu uso.
– Treinamentos para o uso correto do EPI
– Realização de campanhas de conscientização.

Como realizar uma Avaliação de Ruído Ocupacional

Nesse vídeo você pode ver uma demonstração de como é realizada a avaliação de ruído ocupacional utilizando audiodosímetro. Você aprenderá a utilizar o equipamento desde a configuração, instalação no colaborador e download do relatório com histograma!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui