Cada ocupação tem seu próprio risco. Alguns desses riscos estão relacionados ao ambiente de trabalho e devem ser gerenciados pela empresa e pelos funcionários. Os riscos físicos são negligenciados e afetam a saúde e a produtividade dos trabalhadores.

Riscos físicos ruído, calor, frio, temperaturas extremas, vibração, umidade

Agentes dos riscos físicos são perigosos porque dependem do ar para se espalhar mecanicamente e, portanto, afetam as pessoas. Os resultados são sentidos até mesmo por pessoas que não estão diretamente expostas à fonte de risco no médio prazo. Os riscos físicos mais comuns nos locais de trabalho são: o ruído, temperaturas extremas, a umidade, a vibração, a pressão anormal, e radiação.

Os empregadores são responsáveis por garantir a saúde dos funcionários, reduzindo a frequência ou a intensidade da exposição a esses riscos. Sempre mantenha bons hábitos e conscientize os trabalhadores sobre a importância de utilizar equipamentos de proteção individual (EPI). Mais quais são os riscos físicos mais comuns em uma empresa? Veja abaixo!

Ruído

Sua principal fonte é o maquinário da empresa, que pode gerar ruído com um nível excessivo de som. O tempo de exposição seguro para o risco físico ruído é determinado pela sensibilidade do indivíduo e a intensidade (em decibéis) ao qual o trabalhador está exposto.

O dano à saúde mais comum é a perda auditiva temporária ou permanente e pode ocorrer por causa de alta exposição ao ruído no ambiente de trabalho. No entanto, a exposição crônica ao ruído pode afetar o sistema nervoso (irritabilidade, perda de concentração e memória), a circulação (hipertensão), respiratório, gastrintestinal e pode causar deficiência visual.

Para prevenir quanto à exposição do trabalhador ao ruído, é possível isolar a fonte de ruído ou realizar revezamento entre trabalho e descanso, você também pode fazer implantar o uso de EPI – equipamento de proteção individual. Os funcionários devem ser instruídos a realizar regularmente o exame de audiométrico.

Temperaturas extremas

O frio excessivo poderá causar danos à pele (feridas, fraturas e necrose), doenças reumáticas, doenças do sistema respiratório e danos ao sistema locomotor. É necessário o fornecimento de EPI (botas, luvas especiais, capuz, avental).

A exposição intensa ao calor pode causar desidratação, distúrbios no sistema locomotor (espasmos, fadiga), distúrbios circulatórios, desordens neurológicas, desmaios e insolação. Medidas adequadas para a proteção coletiva é a possibilidade de realizar o isolamento da fonte de calor e ventilação adequada.

Umidade

Atividades laborais em lugares muito úmidos que podem estar encharcados ou até alagados, podem ocasionar acidentes de trabalho como quedas, ou até problemas respiratórios ocasionados pela umidade encontrada no ambiente de trabalho, podendo, também, causar doenças circulatórias e de pele.

É recomendado o uso de EPI’s (luvas, botas de borracha, aventais) emborrachados. As medidas de proteção coletiva que podem ser utilizadas seriam a readequação do ambiente de trabalho e mudanças na metodologia de trabalho.

Vibração

As máquinas também podem causar vibrações (tremores) que afetam o operador no local onde se concentra a exposição ao agente de risco, que pode ser nas mãos e braços ou corpo inteiro. A exposição a vibração ocupacional pode ocasionar osteoporose, dor na lombar e causar alterações nas articulações e nervos dos membros afetados.

A prevenção ao risco físico vibração pode ser realizada por meio de luvas antivibração, para vibração de mão e braço (VMB); ou por meio de manutenção do sistema de suspensão e calibragem correta dos pneus, para a vibração de corpo inteiro (VCI).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui