DDS sobre os riscos do ruído para a saúde
Trabalhadora exposta a ruído intenso em local de trabalho sem proteção auditiva!

Hoje vamos fazer um DDS sobre os riscos do ruído para a saúde do colaborador. E é importante que nós, responsáveis pela segurança do trabalhador, sejamos claros durante o DDS. Porque o momento em que há o diálogo diário de segurança, é quando todos estão concentrados no que iremos repassar. E saber fazer a comunicação é nosso triunfo para que o DDS seja um sucesso. Então vamos lá!

Riscos do ruído ocupacional para a saúde do colaborador
Colaborador realizando atividade com ruído intenso utilizando proteção auditiva!

Por que realizar um DDS sobre os riscos do ruído para a saúde?

Ainda é muito comum você chegar em canteiros de obra, fábricas, pequenas indústrias, etc; e haver funcionários próximos a máquinas e equipamentos que produzam ruído excessivo sem os protetores auriculares.

Muitas vezes pela falta de informação, ao serem questionados, os mesmos dizem que o “barulho” não é alto o suficiente para incomodar. Então, este DDS deve servir para mostrar que a importância do uso dos protetores auriculares.

E todos nós sabemos que um dos riscos mais comuns nas indústrias, obras de construção civil e em outras das diversas áreas produtivas é o risco físico ruído. Então realizar essa conscientização sobre a prevenção é de extrema importância!

Principais consequências do ruído ocupacional para a saúde

A consequência mais óbvia é a perda auditiva, que pode depender de certas condições, como: intensidade, tipo de ruído (contínuo, intermitente ou choque), sua qualidade (sons de alta frequência são mais prejudiciais que os de baixa frequência), suscetibilidade individual, tempo de exposição e idade.

Podemos dividir a perda auditiva em três grupos:

  • Temporária
  • Permanente
  • Trauma acústico

Surdez temporária: é caracterizada por problemas auditivos, apesar de temporários, que observamos depois de uma exposição prolongada a ruídos excessivos. Estar exposto por muito tempo a ruídos excessivos pode não apenas causar surdez temporária, mas também potencialmente causar surdez permanente. Se o colaborador continuar sendo exposto ao risco até a recuperação completa, o problema poderá ser agravado e chegar a causar surdez permanente. Também pode haver a fadiga dos músculos do ouvido médio.

Surdez permanente: é uma perda auditiva irreversível em consequência à exposição constante, isto é, o colaborador continua sendo exposto a ruído excessivo sem qualquer proteção auditiva. No início, as células são destruídas no início do caracol (parte interna da orelha), sensível a sons de 4000 Hz, e a alteração não é percebida, pois não atinge a frequência da voz. A perda auditiva continua progredindo até que a frequência da comunicação por voz seja alcançada, entre 250 e 2000 Hz, quando a vibração chega ao ouvido, mas não pode ser transmitida.

Trauma acústico: ocorre de forma instantânea após a exposição a ruídos intensos, como explosões e impactos, podendo provocar danos no tímpano e até deslocamento dos ossículos (parte interna da orelha), causando até as lesões já mencionadas acima, como a surdez temporária ou permanente.

Outros danos que o ruído pode causar

Além dos danos já mencionados, a exposição ao risco ruído pode causar efeitos em nosso sistema, como danos no sistema cardiovascular, aumento da pressão arterial, aumento da frequência cardíaca, aumento da liberação hormonal, condições semelhantes às decorrentes do medo ou estresse, contração dos vasos sanguíneos, pupilas dilatadas e tensão muscular, diminuição metabólica, irritabilidade, desconforto, diminuição da produtividade e diminuição na capacidade de se comunicar, já que o ruído pode atrapalhar a comunicação.

O que achou desse DDS sobre os riscos do ruído para a saúde? Lembrando que um DDS de sucesso é aquele que é multiplicado não só pelos responsáveis e sim por todos os participantes!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui